Saúde

Sobre saúde: o que sabemos sobre fatores de transferência

Os fatores de transferência não são uma descoberta recente, mas, no entanto, têm vindo a adquirir um destaque cada vez mais relevante ao longo dos últimos anos. Consistem em pequenas moléculas que funcionam como uma espécie de mensageiras, ou seja, transmitem informação ao nosso sistema imunitário, fortalecendo-o e aumentando a sua capacidade de resposta perante as várias agressões que diariamente o nosso organismo sofre. A atuação e eficácia dos fatores de transferência está provada em vários tipos de patologia, existindo ainda estudos a decorrer que visam sustentar de forma ainda mais assertiva a potencialidade dos mesmos.

O que são fatores de transferência

Diariamente, são muitas as agressões e fatores que alteram o bom funcionamento do nosso organismo. Como consequência, as nossas defesas ficam comprometidas e ficamos mais suscetíveis a uma série de doenças. Existem várias formas de aumentarmos e melhorarmos a capacidade de resposta do nosso sistema imunitário e uma delas é através dos fatores de transferência.

A descoberta desta abordagem aconteceu já em 1949, mas, por variadas razões, foi passando despercebida e só agora começa a conseguir algum relevo.

Os fatores de transferência são umas pequeninas moléculas que existem nos glóbulos brancos de todas as espécies e, como foi provado cientificamente, é possível, através destes fatores, transferir a imunidade celular de um ser para outro e, desta forma, reeducar todo o sistema imunitário, potenciando o seu pleno funcionamento.

Como se obtêm os fatores de transferência?

O primeiro contacto com a realidade dos fatores de transferência pode ser um pouco estranho e, confesso, para mim também o foi. Mas como tive esta referência através de uma profissional de saúde devidamente especializada, senti a abertura e confiança necessárias para estudar um pouco mais o tema.

Como sabemos, o primeiro leite, chamado colostro, que uma mãe oferece ao seu recém-nascido, contém informação imunitária muito importante e que será vital no desenvolvimento do sistema imunitário da criança. Com o tempo, toda essa informação se vai alterando ou, até mesmo, perdendo. No entanto, e através do recurso a fatores de transferência, as nossas respostas imunitárias podem ser reeducadas no sentido de nos mantermos sempre mais saudáveis.

Nos mamíferos esta informação é transmitida, como foi mencionado, através do colostro, mas em outros animais acontece, por exemplo, através da gema do ovo.

O colostro bovino e a gema do ovo da galinha são, por isso, os recursos usados para que os fatores de transferência possam ser transmitidos ao ser humano de forma segura.

Os fatores de transferência resultam numa espécie de suplemento que pode ser consumido através de uma cápsula perfeitamente comum.

Precisamos mesmo de fatores de transferência?

O tema dos fatores de transferência tem dado muito que falar e todos os estudos já concluídos indicam que o seu uso é bastante benéfico para a nossa saúde.

Mesmo com uma alimentação saudável, onde são fornecidos todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo, os fatores de transferência transmitem outro tipo de informação às nossas moléculas e que permite tirarmos o máximo partido do nosso sistema imunológico.

Em determinadas alturas, e sem percebermos bem a razão, ficamos doentes mais vezes ou sentimo-nos mais em baixo e, muito provavelmente, isso deve-se a uma baixa imunidade. E as soluções para reverter a nossa imunidade são várias, é certo. Os fatores de transferência são a abordagem mais recente e inovadora pois trabalham todo o nosso sistema imunitário de uma forma muito particular, ensinando-o a identificar de imediato qualquer agressão, a responder a essa mesma agressão e a recordá-la, ou seja, fornece às células imunitárias memória que lhes permite combater essas ameaças no caso de surgirem novamente.

Os fatores de transferência são seguros?

Tudo indica que sim. Por princípio, a extração dos fatores de transferência do colostro bovino e da gema do ovo é um procedimento seguro e certificado e existem centenas de estudos que comprovam a eficácia da atuação dos fatores de transferência no sistema imunitário.

A abordagem aos fatores de transferência é revolucionária e por isso, naturalmente, gera bastantes dúvidas a quem ainda desconhece o tema. Por essa razão, nada melhor do que procurar ajuda especializada para perceber concretamente como funciona este tipo de suplementação e todo o procedimento envolvido, bem como que tipo de vantagem poderá obter através do seu consumo.

Similar Posts